Navegar para Cima


Busca Ok A+ | A-

Sintomas de crise epiléptica?

 26/10/2009


Quais são os sintomas de uma crise epiléptica?

Quais são os sintomas de uma crise epiléptica?

Os sintomas dependem do local do cérebro onde se originou a crise ou dos locais por onde a crise se propagou.

A seguir descrevemos resumidamente os principais sintomas das crises que se iniciam em uma parte restrita do cérebro (CRISES PARCIAIS) em pacientes acima de 6 anos de idade.

O cérebro apresenta 2 hemisférios cerebrais. Cada hemisfério é dividido em 6 partes, também chamados de “lobos”, que são: lobo frontal, lobo temporal, lobo parietal, lobo central (giros pré-central e pós-central), lobo occipital e ínsula:

De um modo geral, as crises que se originam no LOBO TEMPORAL são caracterizadas por:

O início da crise pode ser variável. Pode começar com um desconforto na barriga ou sensação de medo, sensação de já ter conhecido um ambiente que é novo (dèjá vu) ou sensação de nunca ter visto um ambiente já conhecido (jamais vu), “palpitação no coração”, ou sensação de “cheiro desagradável”. Esse início de crise é chamado de AURA.

Em seguida a pessoa passa a não responder, como se “saísse do ar”, fica com os olhos arregalados, parados, a boca com movimentos como se estivesse mastigando e engolindo, podendo fazer barulhos e as mãos apresentando movimentos automáticos (sem uma finalidade definida), ou pode ficar com uma das mãos parada. Pode sair andando ou continuar fazendo tarefas que estava fazendo antes da crise (ex: continuar colocando leite na xícara). A crise pode durar minutos e depois da crise a pessoa volta a si, geralmente um pouco confusa e não lembra do acontecido. Pode demorar algum tempo para voltar a falar normalmente. Pode acontecer de a pessoa cair no chão, ficar com lábios roxos e se debater. Esse tipo de crise é chamada de CRISE PARCIAL COMPLEXA.

De um modo geral, vários padrões de crises se originam no LOBO FRONTAL:

A aura pode ser a sensação da “mente fugindo” ou mesmo não apresentar aura. Pode ocorrer o mesmo tipo de crise parcial complexa como a descrita para lobo temporal, com mais movimentação das mãos, às vezes com as pernas (como se fosse pedalar), mas geralmente a crise parcial complexa do lobo frontal tem menor duração (em média 30 segundos), são muito mais freqüentes (podendo acontecer várias crises no mesmo dia). As crises podem começar e terminar subitamente e a pessoa volta da crise já normal.

Pode apresentar crises de curta duração que se iniciam subitamente com a pessoa ficando sem responder, vira a cabeça e os olhos para um lado e com um dos braços duro, esticando lentamente. Também pode levantar os 2 braços como se fosse “voar”. Pode também acontecer da pessoa cair no chão, ficar com os lábios roxos e se debater.

Pode acontecer a parada súbita dos movimentos, como se a pessoa estivesse tendo uma “ausência”.

As crises do lobo frontal podem acontecer preferencialmente à noite (não se sabe a causa disso).

De um modo geral, as crises que se originam no LOBO OCCIPITAL são caracterizadas por:

O começo das crises pode ser fenômenos visuais, como aparecimento de “chuviscos”, “flashes”, “luzes”, ou “escurecimento das vistas”, sensação de movimentos dos olhos, piscamentos forçados, desvio dos olhos, “tremor nas pálpebras”. A continuação da crise vai depender para qual lobo a crise se propaga (ex: continuar como crise temporal). Pode também ser seguida de queda ao solo, com os lábios roxos e se debater.

De um modo geral, as crises que se originam no LOBO PARIETAL são caracterizadas por:

A crise pode começar com sensação de vertigem, tontura, fenômenos visuais mais complexos (como enxergar imagens distorcidas), ou sensação de aumento, diminuição ou distorção da imagem do próprio corpo. A continuação da crise vai depender para qual lobo a crise se propaga. Pode também ser seguida de queda ao solo, com os lábios roxos e se debater.

De um modo geral, as crises que se originam no LOBO CENTRAL (giros pré-central e pós-central) são caracterizadas por:

A crise pode começar com sensação de formigamento ou amortecimento da mão ou em um ou mais dedos da mão, principalmente o polegar, a mesma sensação pode atingir o rosto, a boca, o braço ou a perna.

A crise também pode começar com movimentos ou contrações involuntárias da mão, do braço, do rosto ou da perna. A continuação da crise vai depender para qual lobo a crise se propaga. Pode também ser seguida de queda ao solo, com os lábios roxos e se debater.

Devido à sua localização profunda entre os lobos frontal e temporal, as características das crises que se originam na ÍNSULA podem assemelhar-se muito às descritas para lobo temporal ou lobo frontal.


Voltar

Deixe seu comentário

 
 
 
0 Caracteres Digitados | Restam 1024