Busca Ok A+ | A-

Importância da Qualidade

 

Programas de Qualidade

Porque o Samaritano escolheu a JCI?

Modelo alinhado à missão, visão e valores da instituição.

O que é a Acreditação JCI

É um processo no qual uma entidade independente, avalia Instituições de Saúde para determinar se as mesmas atendem a um conjunto de requisitos concebidos para melhorar a qualidade, a segurança do cuidado e a atividade profissional.

VISÃO

“Ser reconhecido pela sociedade como o hospital que supera as expectativas dos clientes”

MISSÃO

“Excelência na assistência à saúde, com atendimento humanizado e compromisso social”

VALORES

  • Capacitação
  • Compromisso Social
  • Confiabilidade
  • Ética
  • Excelência
  • Humanização

Validade da acreditação – 3 anos

Avaliação anual de monitoramento

Metas Internacionais de Segurança do Paciente

A fim de manter os padrões de qualidade e segurança propostos pela JCI, o Hospital Samaritano reforça as Metas Internacionais de Segurança do Paciente, listadas abaixo:

1.   
Identificar corretamente os pacientes antes da realização de procedimentos, tratamentos e exames;
O objetivo desta meta é garantir a identificação correta dos pacientes. Devem ser utilizadas duas formas de identificação, exceção feita ao número do quarto ou do leito. As formas padronizadas pelo Hospital Samaritano consistem na confirmação com o paciente dos seguintes dados:
·         Nome completo;
·         Data de nascimento;
·         Conferência da pulseira de identificação.
 
A confirmação da identificação do paciente deve ser realizada: 
 ·        Antes da administração de medicamentos, sangue ou hemoderivados;
·         Antes da coleta de sangue e outras amostras;
·         Antes da realização de procedimentos e tratamentos.

2.    Melhorar a comunicação efetiva entre os profissionais, especialmente nas ordens verbais e telefônicas;
A finalidade da meta 2 é certificar que a pessoa que recebeu uma ordem verbal ou telefônica tenha compreendido todas as orientações e, com isto, reduzir a ocorrência de erros e melhorar a segurança do paciente.
 
Para manter a conformidade com esta meta é imprescindível incorporar as seguintes ações na sua rotina de trabalho:
 - Usar sempre o ramal gravado e fazer a releitura da ordem verbal e/ou telefônica e resultados de exames pelo receptor e solicitar a confirmação desta releitura pelo transmissor;
- Na confirmação da prescrição deve ser assegurado que o nome paciente, nome do medicamento e/ou procedimento, a dose, a via, modo de diluição e horário de administração estejam corretos.

3.    Melhorar a segurança dos medicamentos de alta vigilância, com foco nos eletrólitos de alta concentração;
Promover práticas seguras para a utilização dos medicamentos identificados como de alto risco na Instituição.
 
Drogas de alto risco:
Cloreto de Potássio: KCl 19,1%; Cloreto de Sódio: NaCl 20%;
Fosfato de Potássio: KH2PO4 2mEq/mL; Glicerofosfato de Sódio (2 Meq/ml de Na - 1mmol/ml de Fósforo); Heparina não fracionada (Liquemine® e Actiparin®); Insulinas; Meperidina (Dolantina®/Dornot®)
Morfina injetável ; Morfina cp ; Nutrição Parenteral; Quimioterápicos; Sulfato de Magnésio: 50% e Varfarina (Marevan®/Coumadin®)
 
Procedimentos:
 
- A farmácia identifica os medicamentos de alto risco com etiqueta adesiva vermelha e os envia dentro de saco plástico vermelho;
- Estas drogas devem ser mantidas em gaveta apropriada, trancada, no posto de enfermagem;   
- Dupla checagem deve ser realizada no Tasy: no momento da dispensação pela Farmácia e após preparo pela enfermagem;
- Antes da administração devem ser feitas as seguintes conferências: nome completo e data de nascimento do paciente, nome do medicamento, dose prescrita e preparada, via e horário de administração.


4.   
Assegurar a realização de cirurgias em local de intervenção, procedimento e paciente corretos, marcação do local de cirurgia
e realizar check list de cirurgia segura;
O objetivo desta meta é garantir a segurança na realização de procedimentos invasivos (nos SADTs) e cirurgia no local de intervenção correto, procedimento correto no paciente correto.

Procedimentos de segurança:

Verificações Iniciais
:
- Identificação correta do paciente, prontuário e documentos, retirada de adornos, exames, preparo e solicitações da equipe
 - Marcação do membro ou estrutura pelo cirurgião ou membro da equipe com a letra “S”

Time-out®  -
Confirmação e registro com a equipe multiprofissional e antes do procedimento ou incisão:
Identificação correta do paciente
Procedimento correto
Lateralidade
Medicamentos, Materiais e equipamentos quando aplicáveis.

Conferência final e registros:
- Registro do procedimento realizado, Anátomo Patológico e outros exames
- Condições do paciente e encaminhamentos no pós-procedimento
- Conferência e assinatura dos documentos pela equipe multiprofissional

5.   
Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde, por meio da higienização das mãos;
A finalidade da meta é reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde por meio da higienização. 
 
1- Antes do contato com o paciente: Higienize suas mãos antes de tocar o paciente e quando aproximar-se dele para protegê-lo contra germes patogênicos;
2-  Antes da realização de procedimentos assépticos: Higienize suas mãos imediatamente antes de realizar procedimentos assépticos para proteger o paciente contra germes e para reduzir o risco de infecção pela própria microbiota do paciente;
3- Após o risco de exposição a fluídos corpóreos: Remova as luvas e higienize suas mãos imediatamente após o risco de exposição a fluídos corpóreos para sua proteção, proteção do ambiente e proteção de outros pacientes;
4- Após o contato com o paciente: Higienize suas mãos após tocar um paciente e quando sair de seu quarto para sua própria proteção e de outros pacientes também;
5- Após contato com equipamentos e mobiliários: Higienize as mãos após tocar todo o ambiente próximo a um paciente e/ou acessórios, de forma a garantir a proteção do paciente e do ambiente contra germes patogênicos.

6.   
Reduzir o risco de lesões ao paciente decorrentes de quedas.
Condições e fatores de risco para quedas:
• Alteração do estado mental (confusão ou agitação); Distúrbio neurológico; Prejuízo do equilíbrio e da marcha; Déficit sensitivo; Queda anterior; Urgência urinária/intestinal; Medicamentos que alteram o Sistema Nervoso Central; Idade > 60 anos e todas as crianças.

A equipe multidisciplinar deve reconhecer as situações de risco, e colaborar na orientação dos pacientes e acompanhantes para prevenir a ocorrência de quedas.

Medidas para prevenção do risco de quedas:

• Avaliar o paciente quanto ao risco de queda diariamente, registrar no prontuário, no impresso de avaliação de risco e identificar o quarto
• Entregar o folder de prevenção de risco de queda e reforçar orientações importantes como:
- Permanência de um acompanhante
- Chamar a enfermagem para auxílio na locomoção e movimentação
- Usar sapatos adequados
- Não usar roupas longas
- Manter a cama na posição baixa com rodas travadas e grades elevadas
- Manter a área de circulação com “piso seco”, livre de móveis e utensílios
- Manter a campainha sempre ao alcance do paciente
- Orientar aos pais não deixar a criança desacompanhada em nenhum momento, quando internada
• Registrar no prontuário orientações e cuidados fornecidos
• Intensificar a atenção aos pacientes que estão em uso de sedativo e hipnótico, tranquilizante, diurético, anti-hipertensivo e anti-parkinsonianos
• Manter vigilância e agilidade no atendimento à campainha